segunda-feira, março 31, 2008

sexta-feira, março 28, 2008

Sorrindo

Tempos bicudos esses quem que há muita gente rindo sei lá do quê. Corrijo: sei sim. Estão rindo da gente. Uma risada sem graça, cínica. E, pelo que dizem as pesquisas, apoiadas pela grande maioria do gado. Essa gente (?) sobe em palanques (algum dia desceram?) e mentem deslavadamente, mudando sucessivamente a mentira até achar uma que cole. Aí riem. Riem de nós. Mas perversamente e irônicamente também invertem a lógica: riem da claque contratada para aplaudí-los que, estupidamente, recebe a torta na cara e acham bom. Acham que tá certo. Pensam que o tal 'governo operário' está fazendo a distribuição de tortas, por tanto tempo negada pela opsição (?) perversa.

Bom, nesses tempos bicudos, e para dar um tempo nessas risadas sem graça, deixo aqui um exemplo de um sorriso que realmente faz falta. Bom fim de semana.




Sim: eu gostei dos balõezinhos

Principal assessora de Dilma montou dossiê contra FHC

A secretária-executiva da Casa Civil, Erenice Alves Guerra, braço-direito da ministra Dilma Rousseff, deu a ordem para a organização de um dossiê com todos os gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de sua mulher, Ruth, e ministros da gestão tucana.

O banco de dados montado a pedido de Erenice é paralelo ao Suprim, sistema oficial de controle de despesas com suprimentos de fundos do governo. A interlocutores Erenice se responsabiliza pela decisão de organizar a documentação.

Com 13 páginas, o documento, que o governo nega tratar-se de um dossiê, registra com detalhes e fora da ordem cronológica diversos gastos, com ênfase nos feitos por Ruth Cardoso e naqueles envolvendo bebidas e itens como lixas de unha e veludo alemão.

(Folha onLine)


Mas a candidata não sabia de nada, né? Sei...

quinta-feira, março 27, 2008

Mais um...

A culpa é do FHC!


Lula: oposição foi responsável por queda de Severino

Durante discurso em Pernambuco, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que foi a oposição a responsável pela derrubada do ex-presidente da Câmara, Severino Cavalcanti, personagem central do escândalo do "mensalinho" (pagamentos no valor total de R$ 117 mil, feito pelo dono do restaurante da Câmara Sebastião Buani).

"Eu estou vendo um homem ali, o Severino, que foi presidente da Câmara. E ele foi eleito presidente da Câmara porque a nossa oposição queria derrotar o governo achando que o Severino ia ser contra o governo. Mas elegeram o Severino. Não levou muito tempo, eles perceberam que o Severino não era oposição ao governo. Ele trataram de derrubar o Severino com a mesma facilidade que o elegeram. E, certamente, aquela parte da elite paulista ou do Paraná, que convidavam pra fazer palestra, toda a semana, pra falar mal de alguns projetos, hoje, se encontrar na rua, não cumprimenta. Eu continuo tendo o mesmo respeito hoje que eu tinha por você há muito tempo atrás. Porque a relação humana não é feito apenas de um momento".

(Redação Terra)

quarta-feira, março 26, 2008

Mais um balãozinho...

Que meigo!

Lula culpa ministros

O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, contou a líderes de oposição, ontem, que conversou com Lula e que ele próprio reconheceu o excesso de medidas provisórias, mas teria se queixado de "ministros filhos da p(*), de quinta categoria" que o pressionam a editá-las.
(Claudio Humberto)

terça-feira, março 25, 2008

Cem anos: sorry periferia...


A MASSA (Armando Nogueira)

Torcidas, haverá as mais numerosas (Flamengo), ou mais conhecidas por sua grandeza (Corinthians), mas nenhum séqüito futebolístico brasileiro se compara ao do Clube Atlético Mineiro em mística apaixonada, em anedotário heróico, em poesia acumulada ao longo dos anos.

"A Massa", como é simplesmente conhecida em Minas Gerais, compartilha com a torcida corinthiana ("A Fiel") a honra de deixar-se conhecer com um substantivo ou adjetivo comum transformado em nome próprio, inconfundível.

A Fiel, A Massa: poucas outras torcidas terão realizado tal operação de mutação de um nome comum em nome próprio.

Muito distintas são, no entanto, as torcidas dos alvi-negros paulistano e belo-horizontino: quem já vestiu a camisa do time do Parque de São Jorge sabe que a Fiel é fiel em sua paixão, não em seu apoio. Na derrota, a Fiel é implacável; não desaparece, como a torcida do Cruzeiro. Está sempre lá.

Mas é capaz de crucificar com um pequeno manifestar-se de sua raiva. Na vitória, cobra cada vez mais, e reinstala aí sua insatisfação, cuja raiz quiçá esteja no mal-resolvido trauma dos 23 anos sem título, e do grande pesadelo de duas décadas chamado Pelé. A Fiel é fiel, e sempre o foi, mas sua fidelidade se nutre de um descompasso entre a alma do torcedor e a alma do time.

No caso do atleticano, a alma do time não é senão a alma da torcida.

Toda a mística da camisa, das vitórias sobre times tecnicamente superiores (e também das derrotas trágicas e traumáticas), emana da épica, das legendárias histórias que nutre sua apaixonada torcida: nem o Urubu, nem o Porco, nem o Peixe, nem a Raposa, nem o Leão, nem nenhum animal mascote se confunde com o nome do time, com sua identidade, com sua alma mesma, como o Galo com o Atlético Mineiro. E Galo é o nome da torcida (GA-LO), bissílabo cantável e entoável como grito de guerra que ela eternizou ao encarnar em si o espírito do animal. Nenhum outro time é conhecido por tantas vitórias improváveis só conquistadas porque a massa empurrou.

"Quem possui uma torcida como esta, é praticamente impossível de ser derrotado em casa" (Telê Santana).

Pelos idos de 69 ou 70, o timaço do Cruzeiro já tetra ou pentacampeão entrava em campo mais uma vez e parecia que de novo ia humilhar o Atlético, que já amargava o quinto aniversário do Mineirão sem nenhum título estadual. A superioridade técnica de Tostão, Dirceu Lopes, Natal, Raul, Piazza e cia. era simplesmente incontestável. Mesmo naquele clássico durante vacas tão magras, a massa atleticana era, como sempre foi, maioria no Mineirão. Impotente, ela viu Dirceu Lopes abrir o placar e o time do Cruzeiro massacrar o Galo durante 45 minutos. No intervalo, a Massa que cantava o hino do Atlético foi inflamada por um recado de Dadá Maravilha pelo rádio: "Carro não anda sem combustível".

A fanática multidão encheu-se de brios, fez barulho como nunca, entoou o grito de guerra como nunca, encurralou sonoramente a torcida cruzeirense, e o time do Atlético infinitamente inferior, liderado pelo artilheiro Dario e pelo seu grande goleiro (como é da tradição atleticana) Mazurkiewcz - virou o placar para 2 x 1 sobre o escrete azul, e abriu caminho para a reconquista da hegemonia em Minas, selada com o título estadual de 70 e o Brasileiro de 71. Nenhum dos jogadores atleticanos presentes nessa vitória jamais se esqueceu da energia que emanava das arquibancadas, e que literalmente ganhou o jogo.

Também as derrotas tradicionalmente contribuíram para a mística e paixão atleticana: como em 1998, quando o visitante Corinthians trouxe ao Mineirão sua máquina que se preparava para ser bicampeã brasileira e campeã mundial. O Galo se recuperava no Campeonato Brasileiro, vinha de uma vitória sobre o Grêmio no Olímpico, e a Massa mais uma vez lotou o estádio. Com seu toque de bola, o Corinthians envolveu o time atleticano, e no meio do segundo tempo já aplicava impiedosos 5 x 0, enquanto tocava a bola, colocava os atleticanos na roda e esperava o fim do jogo. Vendo seu time humilhado por um adversário superior dentro de seu próprio terreiro, massa se levantou, e cantou durante mais de 10 minutos o belo hino, mais alto e com mais amor que nunca. Nenhum jogador presente se esqueceu, e um ano depois o Galo devolveria ao Corinthians os 5 x 1 do Mineirão, com sonoros 4 x 0 no Maracanã.

Como no silêncio sepulcral que envolveu o Mineirão em março de 1977, quando a grande equipe atleticana de Cerezo, Reinaldo, Paulo Isidoro, João Leite e Marcelo perdeu nos pênaltis o título que todos já consideravam seu, incluindo-se, às vezes parece, os próprios adversários são-paulinos. O time do Atlético, mesmo jogando sem Reinaldo, injustamente suspenso, foi empurrado pela torcida, mostrou-se muito superior ao do São Paulo, como havia feito durante todo o campeonato em que acumulou 17 vitórias, 4 empates e nenhuma derrota, encurralou o adversário durante 120 minutos, mas o gol não saiu. O título é perdido nos pênaltis, mesmo depois de duas grandes defesas de João Leite em cobranças são-paulinas. Ângelo, um dos craques do jovem time atleticano, deixou a partida pisoteado por Chicão, e nunca mais seria o mesmo.

O Galo, base da seleção brasileira de Osvaldo Brandão, sai de campo vice-campeão invicto, com os 11 jogadores abraçados, 10 pontos à frente do campeão, e a Massa recebe aí sua grande tarefa dos próximos anos: realizar o luto pelo enorme trauma. Começou a tarefa no domingo seguinte às 10 da manhã, levando legiões de bandeiras para uma amarga partida contra o Bahia no Mineirão.

Nenhuma outra derrota de um favorito no Brasileirão se revestiria de tanta mística apaixonada. A partir daí essa Massa acumularia 10 títulos mineiros em 12 anos, e uma seqüência de campanhas sensacionais no Brasileirão (o Atlético Mineiro é o time que mais pontos conquistou nos Campeonatos Brasileiros), interrompidas na final ou semifinal, em jogos fatídicos (Flamengo-80, Santos-83, Coritiba-85, Guarani-86, Flamengo-87, Corinthians-88).

A magia atleticana se encarnaria no seu torcedor mais famoso, Sempre, cujo nome real não se conhece, tal é força do apelido. Durante décadas, Sempre ocupou as arquibancadas do Independência e do Mineirão, com sua bandeira e seus ditos legendários. Nunca deixou de comparecer e nunca vaiou o time, embora chorasse nas derrotas. Foi dos primeiros a entoar o hino composto por Vicente Motta em 1969, e depois aprendido por milhões em todo o Brasil. Abria e fechava o clube diariamente, e participou de epopéias memoráveis da massa atleticana, como quando a multidão carregou no colo o artilheiro Ubaldo, pentacampeão mineiro de 1956, de sunga, ao longo dos 5,5 quilômetros que separam o estádio Independência da Praça Sete, ou como quando 20.000 atleticanos invadiram o Maracanã e empurraram o time à conquista do Primeiro Campeonato Brasileiro, em 1971, sobre o Botafogo de Jairzinho.

O Furacão de 70 sentiu seu peso de novo cinco anos mais tarde, na decisão do Mineiro de 76, quando a Massa, mesmo tendo comemorado só 1 dos últimos 11 campeonatos mineiros, tomou conta do Mineirão para empurrar uma turma de meninos de 18-21 anos (de nomes Reinaldo, Cerezo, Paulo Isidoro, Danival, Marcelo) a vitórias contundentes sobre o campeão da Libertadores.

Estava aberto o caminho para o hexacampeonato de 78-83.

"Se houver uma camisa alvi-negra pendurada no varal num dia de tempestade, o atleticano torce contra o vento". O achado do cronista Roberto Drummond resume a mitologia do Galo: contra fenômenos naturais, contra todas as possibilidades, contra forças maiores, a torcida atleticana passa por radical metamorfose e se supera. Superou-se tantas vezes que já não duvida de nada, e cada superação reforça ainda mais a mística, como uma bola de neve da paixão futebolística.

Nenhum atleticano hesitaria em apostar na capacidade da Massa de transformar o impossível em possível a qualquer momento, de fazer parar aquela tempestade que açoita o pavilhão alvi-negro deixado solitário no varal.

Não surpreende, então, o sucesso que tiveram os jogadores uruguaios que atuaram no Atlético Mineiro, do grande Mazurkiewcz ao maior lateral-esquerdo da história do clube, Cincunegui. Se há uma mística de garra e amor à camisa que se compara à atleticana, é a da celeste, não mineira, mas uruguaia. Só à seleção uruguaia a pura paixão por um nome e um símbolo levou a tantas vitórias inacreditáveis, improváveis, espíritas, ou puramente heróicas. Em 1966, as duas camisas legendárias se encontraram, e o Galo derrotou o Uruguai duas vezes (26/04/66 - Atlético 3 x 2 Uruguai, 18/05/66 - Atlético 1 x 0 Uruguai).

Ao contrário das torcidas conhecidas por sua origem étnica (Palmeiras, Cruzeiro, Vasco), por sua origem social (Flamengo, Fluminense, Grêmio, São Paulo), ou por seu crescimento a partir de uma grande fase do time (Santos), qualquer menção da torcida do Atlético Mineiro evoca, invariavelmente, substância mesma que constitui o torcer. O amor ao time na vitória e na derrota, o apoio incondicional, a garra, a crença de que sempre é possível virar um resultado, o hino entoado unissonamente: a legião fanática que ama o Galo acima de tudo sabe que ser atleticano é unir-se num estado de espírito, compartilhar uma memória, e fazer da esperança uma permanente iminência.

A massa atleticana é a prova maior de que, mesmo em época de profissionalização total do futebol, e do negócio futebol, para o povo brasileiro este é acima de tudo paixão por uma cor, um nome, um símbolo, a memória de um instante que pode ser um gol, um campeonato, um abraço ou um beijo. Galo é o nome que mais radical e verdadeiramente expressa, para tantos milhões de brasileiros, o inexplicável dessa paixão.

O Galo é o único clube a ter vencido a Seleção Brasileira. E não foi qualquer uma. Ela entrou em campo com Felix, Carlos Alberto, Djalma Dias, Joel e Rildo (Everaldo); Piazza e Gérson (Rivelino); Jairzinho, Tostão (Zé Maria), Pelé e Edu (Paulo César). O Galo venceu com Mussula, Humberto Monteiro, Grapete, Normandes (Zé Horta) e Cincunegui (Vantuir); Oldair e Amauri (Beto); Vaguinho, Laci, Dario e Tião (Caldeira).

Nossa pequena homenagem a quem é atleticano até debaixo d'água.

"Se houver uma camisa preta e branca pendurada no varal durante uma tempestade, o atleticano torce contra o vento."
(Roberto Drummond)

segunda-feira, março 24, 2008

Estado democrático

Preencha o balão

Qual a melhor frase para preencher o balão na figura abaixo?




Eu começo: "Eu falei pra não passar cola na peruca!"

quinta-feira, março 20, 2008

É mais embaixo, pô!

Médico erra cirurgia e opera ânus de paciente

Um mulher quer processar um hospital alemão depois que seu ânus foi operado, em Hochfranken, na Bavaria. Os médicos deveriam fazer uma cirurgia na perna dela, segundo o portal da FoxNews.

A idosa acordou e descobriu que havia sido confundida com uma outra paciente que sofre de incontinência e precisava de uma cirurgia no esfíncter.

A equipe cirúrgica foi suspensa pelo hospital. A mulher ainda precisa operar a perna.
(Redação Terra)


Desculpem, mas dessa vez vai sem foto mesmo.

Falando em estupidez

quarta-feira, março 19, 2008

A necrofilia da arte


Remanescentes do The Doors voltam ao Brasil para três shows

Os remanescentes do grupo The Doors, o tecladista Ray Manzarek e o guitarrista Robby Krieger, vão se apresentar no Brasil sob o nome de Riders on the Storm com shows em São Paulo, Brasília e Porto Alegre. Eles vêm ao país para comemorar os 40 anos - completados em 2006 - da banda celebrizada pelo vocalista Jim Morrison.

(G1)


Podem falar, mas eu vou!

São Paulo

Quando: 10 de abril (quinta-feira), às 21h30

Onde: HSBC Brasil, Rua Bragança Paulista, 1.281, Chácara Santo Antonio, 11-4003-1212
Quanto: R$ 200 (Camarote), R$ 180 (Frisas), R$ 180,00 (Setor VIP), R$ 160 (Setor 1), R$140 (Setor 2), R$120 (Setor 3), R$ 160 (Setor 4), R$140 (Cadeira Alta)

Brasília

Quando: 11 de abril (sexta-feira), às 22h
Onde: Ginásio Nilson Nelson, Asa Norte, tel. para informações do show 61-3225-3873

Quanto: R$ 40 (arquibancada), R$ 70 (cadeiras), R$ 90 (palco VIP)

Porto Alegre

Quando: 12 de abril (sábado), às 22h

Onde: Pepsi On Stage, Av. Severo Dullius, 1.995, São João, 51-3371-1948

Quanto: R$ 150 (VIP), R$ 120 (Mezanino), R$ 80 (Pista)

A tradutora

video

Desconfio que ele está falando de política brasileira.

terça-feira, março 18, 2008

segunda-feira, março 17, 2008

Separados ao nascer

Mick Jagger x Predador


sexta-feira, março 14, 2008

Enquanto isso, no aeroporto de Madrid...

Diferença entre bom, ruim e terrível

BOM: Sua esposa está grávida.
RUIM: São trigêmeos.
TERRÍVEL: Você fez vasectomia ano passado e não contou pra ninguém.

BOM: Sua esposa não fala mais com você.
RUIM: Ela quer o divórcio.
TERRÍVEL: Ela é advogada.

BOM: Seu filho passou da puberdade.
RUIM : Ele está envolvido com a vizinha da frente.
TERRÍVEL : Você também está.

BOM: Seu marido entende de moda feminina.
RUIM: Usa a sua roupa.
TERRÍVEL : Fica melhor nele que em você.

BOM: Você decide dar aula de educação sexual para a sua filha.
RUIM: Ela te interrompe várias vezes.
TERRÍVEL : Corrigindo você.

BOM: Sua filha arranjou seu primeiro emprego.
RUIM: De prostituta.
TERRÍVEL: Seus colegas do futebol e do trabalho estão todos ficando clientes dela.
MAIS TERRÍVEL AINDA: Ela está ganhando 10 vezes mais que você e disse que vai reformar a casa e te dar um carro novo.

BOM: Você arranjou uma gata quente para bater papo via CHAT... Começou no erótico, partiu pra sacanagem e descambou para a pornografia pura.
RUIM: não agüentando mais você resolve se revelar. Ela responde que conhece você muito bem e que não vai dar para continuar porque você não passa de um grande canalha e, ainda por cima, vai contar para a sua mulher!
TERRÍÍÍÍÍÍÍÍÍÍÍÍÍVEL: Era sua sogra.

quinta-feira, março 13, 2008

Finalmente

Vai começar a tão ansiosamente aguardada (pelo menos por mim) nova temporada da Fórmula 1. Como a Honda anda mal das pernas, é pouco provável que vejamos este ano a incrível, incomparável, extraordinária expressão de felicidade do Rubens Barrichello.

Por isso, resolvemos publicar uma coletânea de imagens deste fantástico piloto, para que seus fãs possam guardá-las na memória.

Vai Rubinho!!!!









????

terça-feira, março 11, 2008

Jumentos mais antigos do mundo

Arqueólogos acham esqueletos dos mais antigos jumentos domésticos no Egito

Do G1

Pesquisadores dinamarqueses, alemães e americanos desenterraram os esqueletos dos mais antigos jumentos domésticos -- bichos que viveram em Abidos, no Médio Egito, há cerca de 5.000 anos. Em estudo publicado na revista científica "PNAS", eles relatam que os eqüinos ainda se parecem muito com seus primos selvagens da Etiópia e da Núbia (atual Sudão), mas já apresentam lesões em seus ossos e cartilagens que indicam uma vida inteira carregando peso, tal como os jumentos modernos. Mesmo assim, os animais eram honrados pelos antigos egípcios: foram enterrados no cemitério do faraó, em túmulos só para eles.





A pesquisas também comprovam que um descendente direto deles, hoje é presidente...


segunda-feira, março 10, 2008

sexta-feira, março 07, 2008

Governo do Piauí compra Limusine com cartão corporativo. Absurdo!

Como fazer uma mulher feliz:

Não sei por que ninguém entende as mulheres!!!!!

É tão simples !!!

*Fazer uma mulher feliz é muito fácil. É muito importante não esquecer as datas:
aniversário,
noivado,
casamento,
formatura,
menstruação,
data do primeiro beijo.

E também:
aniversário dos Pais, aniversário dos tios, irmão ou irmã mais querida,
aniversário dos avós,da melhor amiga e do gato.

Veja como ganhar e perder pontos com uma mulher.

1)Tarefas simples

Você arruma a cama (+1)
Você lava os talheres do almoço (+1)
Deixa cair água no chão ao lavar os talheres (-10)
Você deixa a tampa da privada levantada (-5)
Você troca o papel higiênico que acabou (+2)
Você vai ao mercado só pra comprar papel higiênico(+5) ** Na chuva (+8)
Mas retorna com cerveja (-15)
Você levanta de noite, pois ela ouviu um barulho estranho (0)
Você levanta de noite, mas o barulho não foi nada (0)
Você levanta de noite e o barulho era de um rato (+5)
Você mata o rato (+10)

2)Social

Você fica ao lado dela a festa inteira (0)
Você vai beber ao lado dos amigos (-2)
Entre os amigos está uma mulher chamada Fernandinha (-4)
Fernandinha é loira e magra (-16)
Fernandinha o conhece (-180)

3) No aniversário dela

Você a leva para jantar fora (0)
Leva para jantar fora e não é o restaurante de sempre (+11)
É o restaurante de sempre (-2)
É um boteco (-30)
É um boteco e a TV está mostrando futebol (-140)

4) Passeios com amigos

Você sai com um amigo (-5)
O amigo é solteiro (-14)
O amigo é cheio de namoradas (-27)
O amigo dirige um conversível (-180)
A Fernandinha vai junto (-500)

5) Uma noite fora

Você a leva para o cinema (+2)
Para ver um filme que ela gosta (+4)
Para ver um filme que ela gosta e você odeia (+6)
Você a leva para ver um filme que você gosta (-2)
O filme se chama 'O massacre da serra elétrica III' (-13)
Você mentiu e disse que seria um filme francês de amor (-135)
Na saída do cinema você encontra a Fernandinha e ela faz "aquela" cena:
"Queriiiiiiiidooooo, há quanto tempo" (-750)

6) Grandes questões

Ela pergunta 'Eu estou gorda?' (-1) (é, você perde um ponto de qualquer jeito)
Você pensa antes de responder (-10)
Você diz que não (-35)
Você diz que gosta dela mesmo que ela esteja gorda (-280)
Você faz comentários a respeito do corpo da Fernandinha (-450)

7) Comunicação (ela quer contar algo)

Você ouve com uma expressão atenta (0)
Você ouve por mais que 30 minutos (+5)
Ouve por mais que 30 minutos sem olhar para a TV (+10)
Ela percebe que você está dormindo de olhos abertos (-320)
Você balbucia o nome da sua querida amiga "Fernandinha",enquanto está dormindo de olhos abertos (-1.000.000 + divórcio e pensão pro resto da vida)


8) Você precisa ser ainda:

1) Amigo
2) Companheiro
3) Amante
4) Irmão
5) Pai
6) Chefe
7) Educador
8) Cozinheiro
9) Mecânico
10) Encanador
11) Decorador de Interiores
12) Estilista
13) Eletricista
14) Sexólogo
15) Ginecologista
16) Psicólogo
17) Psiquiatra
18) Terapeuta
19) Audaz
20) Simpático
21) Esportista
22) Carinhoso
23) Atento
24) Cavalheiro
25) Inteligente
26) Imaginativo
27) Criativo
28) Doce
29) Forte
30) Compreensivo
31) Tolerante
32) Prudente
33) Ambicioso
34) Capaz
35) Valente
36) Decidido
37) Confiável
38) Respeitador
39) Apaixonado
40) Sensível
41) RICO

Você percebeu que agradar uma mulher não é tarefa tão difícil assim.
Basta um pouco de boa vontade.
E NÃO TER UMA AMIGA CHAMADA FERNANDINHA (Ou qualquer outrINHA!!!!!).


Viram como é simples?!
Mulher não é tão difícil de ser agradada...

quinta-feira, março 06, 2008

Exército

Hugo Chávez mobilizou a armada e já está pronto para a guerra!


Artista revelação 2008

É com imensa vontade de rir, quer dizer, satisfação, que apresento direto de Palmeirópolis, Estado do Tocantins, para o mundo:

Maicow Nite!!!!

O cara é estiloso, afinadíssimo e como dança bem!
Mas o melhor mesmo é o ingRês!!!!



video

quarta-feira, março 05, 2008

terça-feira, março 04, 2008

Silviço de utilidade pública

Em mais um silviço de utilidade pública, nós, Patos patrióticos que somos, divulgamos um importante e educativo vídeo sobre como descascar uma banana.

Sujar os dedos é coisa do passado!

Aprenda.


video

Só podia ser coisa de japonês...

segunda-feira, março 03, 2008

Agora sim!

Tenha você também o seu próprio Cartão Corporativo:

http://www.cartaocorporativo.com/

QUACK!!!

Sim!

Para infelicidade geral, eu voltei.

Gostaria de dizer que li todos os recadinhos postos por aqui, e TODAS as teorias sobre meu sumiço estão corretas.

PS: Parabãs à Vivi e ao Palhaço.