sexta-feira, janeiro 05, 2007

Coisas que eu não entendo

A modelo, apresentadora (?) e celebridade instantânea por causa do seu casamento com um certo dentuço aí Daniella Cicarelli resolveu processar o site You Tube por manter no ar imagens de sua transa aquática.

O site cumpriu a decisão judicial e tirou do ar os vídeos da putaria. Porém, o You Tube, que foi comprado pelo Google no ano passado por US$ 1,65 bilhão (!), é abastecido pelos próprios usuários, ou seja, o administrador tira um vídeo, e logo aparecem mais cinco. E se o administrador coloca um filtro impedindo postagens com o nome da moça, o usuário logo põe um vídeo com o nome “show do Chico Buarque”, por exemplo, com as imagens proibidas camufladas.

Como se vê, é praticamente impossível cumprir a decisão de tirar o tal vídeo do ar.

E não é que a moçoila resolveu então tirar o site do ar? E não é que os tribunais brasileiros deram ganho de causa? Essa notícia já correu o mundo, e foi manchete em jornais como o NYT, a rede CNN e a agência Reuters.

“Essa solicitação da Justiça será difícil de ser cumprida por seu aspecto técnico e também pela discussão que gera. Se todos quiserem retirar do ar informações que lhes desagradem, vamos virar a China”, afirmou Antonio Tavares, presidente da Associação Brasileira dos Provedores de Internet (Abranet). “Também não sei se as empresas que realizam conexões internacionais vão acatar pacificamente essa decisão”, continuou.

Ou seja, é uma decisão natimorta.

Mas até aí tudo bem. Ela tem direito a processar o site, claro. A justiça taí pra isso mesmo. E é salutar que isso gere uma discussão sobre os limites da internet e da censura.

A parte que eu não entendo é a seguinte: uma celebridade (?), que obviamente atrai olhares e câmeras, resolve ir a um local público (uma praia) com o namorado e dar um trepadinha na água, à vista de quem quiser, agora vem cheia de pudores processar o site que não tem nada a ver com a história? Porque será? Alguém me explica? É que eu sou meio burrinho...

Pelo menos a história rendeu uma hilária campanha contra a dengue (depois eu ponho aqui).

18 comentários:

Fábio Max disse...

Essa "moça" casou num castelo francês e 3 meses depois se separou num diz que me diz digno da Tati Quebra Barraco.

Daí, assediada por paparazzis resolve dar umazinha numa praia badalada e cheia de gente e ainda reclama que filmaram?

Sinceramente, foi ela quem pediu a exposição pública.

Mas se ela achou ruim, paciência, ela deveria contratar um bom advogado e, para este tirar o video do You Tube era moleza, bastava pedir danos morais ao invés da asneira de desligar o site, porque o Google imediatamente identificaria o ID e mandaria bala e oficiais de justiça contra quem cometesse o ato.

Não há, ainda, no mundo, uma legislação que consiga controlar a internet. É muito difícil fazer isso porque depende de ação política em todos os países. Enquanto isso, qualquer medida como essa bobagem de desligar o site, é paliativa porque, se o video não estiver no You Tube, será repassado por e-mail, MSN, Skype, etc... ou será que vão fechar a internet por conta da trepadinha dela?

Túlio disse...

Não qualquer blog que tem acessoria jurídica, não. Nóis é phodda!!

tom paixão disse...

aqui, ocê já si isqueceu da famosa hipocrisia mineira?
então?
ela deu, agora diz que foi seduzida, que tava bebada, que não sabia que doía, que engravidava e que tinha paparazzo perto, esse povinho xereta que num dexa a gente nem trepá in paz.
na verdade essa onda toda é pra deixar pai mineiro em paz.
agora ele pode chegar e dizer: cês viro, minha fia quase fecha o tár de iourtubi.
a gente semos assim, seu túio, o que fazer?

malu disse...

Tulio,

Eu fico aqui esperando a Campanha hilaria contra a Dengue.

Leticia disse...

Túlio, meu filho, esse é o malabar da vez. E ela conseguiu: apareceu em tudo quando foi jornal ontem.

Julia disse...

Tulio,

Estou completamente de acordo com os comentarios que estão aqui.

Mas pode ser que a "talzinha" esta precisando de dinheiro e utiliza meios como este, pra fazer a FAMOSA PUBLICIDADE NEGATIVA.

A publicidade negativa tras inevitavelmente, contratos.

No caso dela, com certeza havera proposições ao "gosto" da PORNOGRAFIA!!!

shirlei horta disse...

Às vezes eu me pego pensando: pra que que eu estudo tanto na vida?

malu disse...

Shirlei,

Sabe porque voce estuda tanto?

Para nao ter que pagar um "mico" desse.

Leticia disse...

Verdade, Shirlei, a Malu tem todíssima razão. Quem não consegue ser nada na vida vai malhar os glúteos.

Túlio disse...

Acho que vou malhar meus glúteos...

Leticia Braun disse...

Humm, Túlio, eu não chegaria a tanto. Ontem mesmo tinha um papo-cabeça relâmpago com dona Shirlei, e dizia que estou cansada de lidar com textos, que prefiro fazer algo com as mãos. Estou quase me entregando à futilidade do mundo. Fazer bijus, lata de lixo decupada, sabonete decorado, qq. coisa assim. Enfim, gêneros de primeira necessidade, porque livros é coisa pra gente luxenta, e vende cada vez menos. Pelo menos aqueles com que lido.

Túlio disse...

Eu ainda compro livros...
Minha última aquisiçao foi há uma semana.

shirlei horta disse...

Aí é que tá: eu sempre fui de comprar muitos livros, ter opinião sobre tudo que é autor. Atualmente, a grana não dá para livros - mesmo que eu ainda me recuse a abandonar os sebos. Não adianta, nem quem lê ou lia está mais interessado. Quer ver o vídeo da Cicca, quer ver ela deixar o vestido cair sem-querer e ela quer proibir um meio de comunicação de exercer suas atividades!!! Durma-se com um barulho desses!!!

Leticia disse...

Shirlei, tem sebo que se acha. Desses você deve passar longe. Vá a sebos recém-montados. Eles ainda têm uma ingenuidade (pra não dizer inguinorança), e de repente você encontra um verdadeiro tesouro por 1 real.
Mesmo assim, estou começando a questionar hábito tão poeirento. Acho que só servirá pra fazer um papelão no dia do Fahrenheit 451.

Fábio Max disse...

Aqui em Curitiba, é mais fácil encontrar livros mais baratos nas pontas de estoque das livrarias, que nos sebos, porque em algum momento eles viraram modismo e, claro, subiram seus preços às alturas.

Aqui e em Porto Alegre, ainda há os "brics", feirinhas onde pessoas põe livros à venda nas barracas, e onde é fácil encontrar coisas boas e raras a preços acessíveis.

Leticia disse...

Adorei esses brics, Fábio. E quanto aos saldos (acho questou falando isso pela centásima vez - umas 50 só pra você) aqui em SP tem a Papelivros, e de vez em quando a gente acha algo bom no saldo. Só que outro dia pasei por lá, depois de longa hibernação, e vi que o mínimo da liquidação é 5 reais. Assim não dá, assim não pode! Quero a volta do livro a 1 real, já!

Túlio disse...

letícia,
Me conta a história do saldo?

Leticia disse...

Como assim, seu Túlio?