segunda-feira, novembro 24, 2008

O Natal de Suzana - VI

o sorriso ficou congelado no rosto de suzana.

não que ela tivesse se assustado com a chegada do pálio. é que, devido a litros e mais litros de botox e uma enorme quantidade de plásticas, o sorriso dela demorava a terminar. algo como uma massa de bolo, que demora a perder a forma, escorrendo.

quando ela conseguiu falar, já o motorista do palio se encontrava debruçado em sua janela. um forte cheiro de éter saia de sua boca

"fabio", ela disse, "comé que cê tá, gatinho? pensei que estivesse na terra do obama, lá na beth ford!"

"como, su?," ele disse. "nem dinheiro pro álcool do carro tou tendo, mina. vim aqui pra te pedir uns dólares emprestados. o cara do movimento lá no leblon tá cobrando em euros. só abriu pra mim pagar em dólar por causa de quê eu num entreguei ele. tô na merda, su. meu dá umaa forçaa aí, vai!"

suzana se condoeu. mas não tanto a ponto de liberar suas doletas, ganhas com muito suor na dança do gelo. abriu a bolsa, tirou uma nota de cem e entregou ao rapaz, que parecia com fome. ele tentou demonstrar desilusão no olhar. como nenhum dos dois sabia arte dramática, ela não sacou e ele não soube como fazer. expedito meneou a cabeça. "essa moçada da grobo, hum!", pensou.

suzana, depois de se livrar de fábio, sacudiu a cabeleira vermelha, como uma joelma em chamas e repetiu a ordem: "toca pro shopping da barra".

enquanto isso, na praça de alimentação do centro de compras, uma mulher comia salmão grelhado com brócolis no giraffa's.

Tom

8 comentários:

Túlio disse...

"Joelma em chamas"

QUACK!!!!

Leticia disse...

E cadê o resto do povo, hein? Fábio, se você pensar muito vem outro de atropelando. É bolar na hora e mandar, rrrrapazzzzz!

Fábio Mayer disse...

Ninguém continue...hoje coloco aqui minha parte desta saga!

Fábio Mayer disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fábio Mayer disse...

Enquanto isso, na praça de alimentação do centro de compras, uma mulher comia salmão grelhado com brócolis no Giraffa’s, prova inconteste do requinte e sofisticação do local, no qual mesmo as lojas mais populares apresentam um diferencial que leva 9 em cada 10 celebridades a satisfazer ali seus ânimos consumistas, o que não seria diferente com Susana.

Suzana deixou Expedito no estacionamento VIP, com ordens de aguardá-la, porque faria uma visita rápida, coisa de 4 ou 5 horas para fazer algumas compras para esquecer das vicissitudes da vida. E descendo pela escada rolante, em direção à Victor Hugo* eis que do outro lado do shopping uma pessoa começa a berrar o seu nome:

- Dona Suzáana..dona Suzaaaaaanáa!!

Ela tenta se esconder levando uma das mãos ao rosto como quem busca arrumar os enormes óculos Dolce & Gabbana, virando a cabeça na tentativa de agir como se não fosse com ela e fugir daquela figura nefasta que incompreensivelmente foi autorizada a entrar no shopping e vinha rapidamente em sua direção, tropeçando nas pessoas, quando não em suas próprias pernas.

Mas foi inútil.

Assim que saiu da escada rolante, foi deprimentemente abordada por um indivíduo atarracado, com a barba desgrenhada e os olhos esbugalhados, que vestia uma camisa surrada do Corinthians, bermudão e chinelos Raider, se bem que iguaizinhos aos que o Gianechini usa sempre que vai à praia:

- (puf!puf!puf!) Dona Suzáana, sou seu fã (puf!puf!), peraí um minuto (puf!puf), quero falar com a sinhora!
- Ai meu querido, estou ocupada e tenho hora marcada, desculpe mas...
- (puf!puf) Peraí dona Suzáana, sou seu fã, me dá um minutinho pô!

E ele tentou se desvencilhar, e de nariz empinado sem aparentar dar muita importância, tentava de todos os modos sair dali, mas o nefasto a perseguia e parecia não entender o seu olhar de desprezo.

- Dona Suzáana, pô...mi dá um atógrafu? (...falando sem parar, nem sempre de modo compreensível...) Sou doidio pela sinhora. Minha galega, Marizia, á doidia pela sinhôra e a-do-ra aquele seu maridão sarado que aparece nas figura da revista Caras, hoji mesmo eu vi ele na primera página dodia**(...falando sem parar, nem sempre de modo compreensível...) foi uma coincindência dos corne incontrá a sinhora aqui hoje! Luria e Lulica adoram a sinhora tamém, aliais, meus amigo Tonhão Paloco, Minu Carto e Tarso tamém, nois as veiz toma uma birita na frente da Tv e quando a sinhora aparece num deixamo de dizê: - ôooo galega de talento!!! Nunca dêxamo de assisti suas novela, fiquei puto cãs brincadêra que o Faustão feiz com a sinhora na dança do gelo... (...falando sem parar, nem sempre de modo compreensível...)

E ela tentando esconder a vergonha e fazendo um esforço enorme para não esganar aquele indivíduo pega sua caneta Montblanc dourada e uma foto sua (sempre leva dúzias delas para todo lugar onde vai) na bolsa e pergunta para ele:

- Qual seu nome meu que-ri-do???
- Luis Lulla dona Suzánna, prizidenti di alto iscola, ao seu dispor.
- Lula? Pô você é a cara do...
- Eu sei, eu sei, todo mundio me dizisso, já até conheci ele pissoalmente lá mermo no paláciu, nessa merma época ano passadu, a sinhora num aquerditaria como... mas...mi dá o atógrafu?
- Dou sim, dou sim QUE-RI-DO!!!
- Eu sabia, eu sabia!!! A sinhora é mais simpática que o padre Marcelo Rossi, eu sempre disse pra todo mundo que essa galega é do povão mermo, essa num negaria fogo numa roda de cachaça com músicas do Rio Negro e Solimão!
- Ai seu Lul...digo, seu Luis, posso dedicar o autógrafo pro senhor.
- Ahhh dona Suzáana, si num for pidi muito, ponha uma frase bem bunita tipo ansim: De SUZÁANA E MARCELO para Luis Lulla e Marízia Lulla.

Era só o que faltava. O cara cheirando a caipirinha, com uma camisa do Corinthians que nem a marca Nike apresentava e agindo como um completo analfabeto que nunca leu Caras para não saber que ela e Mar...o safado&&¨%%%! Estavam separados ainda pede um autógrafo falando disso... muito sofrimento para uma pobre mortal como ela.

E enquanto seu interlocutor falava sem parar e inexplicavelmente não percebia a sua cara de insatisfação, de raiva, rancor, ódio e de vontade sincera de lhe arrancar os olhos, escreveu no verso na foto e a entregou quase esfregando-a no rosto dele e dizendo:

- Ta aqui seu Luis, desculpe não poder conversar mais com o senhor, mas combinei com uma amiga de comer salmão grelhado com brócolis ali na praça de alimentação e ela já deve estar me esperando...

Ele pensou consigo (eeeeca! Salmão? Brócolis? Calebridadji come mau mêmo) e disse:

- Muitio obrigado dona Suzáana, nem sei como agradecer, Marizia nem terá palavras e...
- Tá bem seu Luis, beijocas para todos!

E deu as costas saindo quase que em disparada para qualquer lugar onde se livrasse daquela...coisa!

No dia seguinte, Suzana ainda exausta das trágicas 24 horas anteriores, leva um susto ao abrir o jornal e ver uma foto enorme dela com uma manchete:

SUZANA SORRIDENTE CUMPRIMENTA FELIZ UM SÓSIA DO PRESIDENTE!

E pensa que na próxima vez terá que diminuir o botox, porque as pessoas não distinguem mais quando ela está irritada e... peralá, MEU DEUS, ele disse que... ele disse que... FILOMENA, FILOMEEENÁAAA!!!!!!!!!!!!!!!!!! Ele disse que viu o safado em O Dia ontem!!! AI MEU DEUSSS!!! FILOMENA VAI JÁ NA BANCA DE JORNAL E TENTA COMPRAR “O DIA” DE ONTEM!!!!!!!!!!!!!!!

(*)Loja de bolsas
(**) O Dia, jornal carioca conhecido pela sua linha editorial popular.

TOM disse...

ahá!

TOM disse...

hum!

Fábio Mayer disse...

Pô seu Túlio?

Onde está o post com meu capítulo da saga?

O senhor está negligenciando suas obrigações de editor, não terá direito à comissão no prêmio Nobel!