segunda-feira, dezembro 18, 2006

O Natal dos Políticos - Roberto Requião


Em certa residência oficial...

Mal saindo da chaminé o bom velhinho depara com um homem alto, cabelos grisalhos em forma de capacete vestindo calça e camisa de jeans com o olhar fixo na lareira. Parece estar ali há horas e seu aspecto é assustador à meia luz bruxuleante das velas que iluminam o local onde, nota-se, ocorreu a ceia natalina. Ao seu lado, dois enormes cães rottweiller, ambos assustados com o silêncio do dono, que os olhava de modo a se encolherem ao máximo em seus lugares, a ponto de sequer mexer um músculo ao ver aquela figura de atitude estranha em descer pela chaminé como se fosse um inimigo como outro qualquer.

Mal o velhinho fica de pé, ajeita a roupa branca e vermelha e ensaia com “oh, oh!” o dono da casa dispara em tom autoritário:

- Eu quero a presidência em 2010!

- Pô, peralá meu irmão, sou Papai Noel, faço uma coisa por vez, atendi seu desejo do ano passado e você me recebe desse jeito? 2010 é longe, ainda.

- Tá brincando comigo? Te pedi para ficar aqui, nessa casa e quase perdi a parada pro barbudo! Porra! Foram só uns poucos votinhos de diferença! Sem contar que você não atendeu meu desejo de 2002!

- Mas pô, Beto, sou só Papai Noel, não sou Deus! Entenda que o barbudo pediu a mesma coisa ano passado e ainda te dei preferência. Sem contar que você queria que eu acabasse com aqueles contratos de rodovias e de quebra desse um jeito de mandar prender o Jaime. Eu não sou delegado nem autoridade, minha margem de manobra é limitada, já viu, vocês mortais tem livre arbítrio, mudam de idéia o tempo todo e ademais você disse que seus advogados davam conta do recado e coisa e tal...

- Não interessa! Não me chame de Beto e por sua culpa fiquei com cara de tacho e de quebra...

- Vamos mudar de assunto, Roberto, cadê sua família?

- Mudar de assunto coisa nenhuma, eu...

- Ca-dê sua fa-mí-li-a Roberto? Pô, são poucas as pessoas que eu posso atender assim de modo tão exclusivo, sem contar que a Mari é tão simpática, sempre me oferece uns docinhos.

- Ah, não mude de assunto, mandei minha familia cear às 6 da tarde e ir dormir, queria ter um papo sério com você olho no olho e agora você tá fugindo do debate feito um bundão!

- Calma, Roberto, é Natal, lembra?

- Que Natal porra nenhuma! Eu quero a pre-si-dên-cia em 2010 e ponto final, se não vou instalar o “disque Santa Claus” e levantar aquele dossiê que te contei...

- Que dossiê que nada Roberto, tá surtando? Sou o PAPAI NOEL, sou símbolo de bondade, honestidade, ternura e...

- Bem que eu tinha que acreditar no Hugo mesmo, você é um bosta a serviço do neo-liberalismo, vá lá pra Washington puxar o saco do George!

- Pô Roberto, não ofende. O Hugo tá bravo comigo mas é porque me pediu um míssil nuclear e eu tenho ética na profissão, não entregaria isso pra ninguém. Já o George tá chateado porque não deu para realizar o desejo dele também, mas mesmo assim não me recebeu desse jeito, pelo contrário, a mãe dele, a Barbie, me ofereceu uns “muffins” deliciosos, cobertura de chocolate e...

Nesse momento um dos rottweiller ensaia coçar uma pulguinha, quando o dono o fuzila com o olhar. Sintomaticamente, solta um ganido tímido e se enrola no chão quietinho, o mais próximo possível da parede. E o dono:

- Que “muffin” que nada, quero mais que você ponha ele no rabo! O Hugo é que tá certo mesmo, nós progressistas precisamos mesmo é dar um pé na bunda de neoliberais como você!

- Ô Roberto! Pela última vez: Eu realizei seu desejo do ano passado, trouxe presentes lindos para a sua familia toda, te atendo pessoalmente e você age assim comigo? Não seja ingrato, você tem todo direito de pleitear mas não posso me comprometer com a presidência em 2010. Tem tempo aínda e tem muita gente me pedindo isso. Hoje mesmo o José e o Geraldo lá de São Paulo me pediram a mesma coisa, sem contar que um tal de Neves lá de Minas encheu minha caixa postal com e-mails pedindo isso, e todo ano aparece mais alguém. Ano passado aquele gaúcho, o Germano, pô, tive que comer uma costela salgadíssima que ele fez pra me agradar, foi triste terminar de entregar os presentes com tanto sal e gordura no estômago... e você nem sabe como é chato tratar com o pessoal do partido do Luiz, porque eles nunca dizem nada de modo direto. Mandam algum militante fazer manifestação na porta da minha casa lá no Pólo Norte, chegaram a invadir a chácara e matar uma das minhas renas pra fazer churrasco, imagine o que aconteceria se eu não desse um jeito do Luiz se reeleger? Porra! Deu um trabalho desgraçado conseguir um teflon que funcionasse com a imagem pública, para que nada colasse nele e...

- Ah, então quer dizer que o Luiz Inácio pode e eu não? Na certa é por conta dos juros altos e você tem algum esquema com a banqueirada safada e...

- Roberto, pare com isso!

- Paro nada, quero a presidência!

- Kct! Como é que você quer a presidência se briga com todo mundo? Veja o Luiz : pô, o cara é bonzinho, paz e amor, não discute com ninguém e todo mundo tem simpatia por ele que até me ofereceu uma branquinha agora há pouco e mesmo assim eu tive que fazer das tripas coração para dar um jeito...

- Mas deu!!!

- Pô Roberto, não depende só de mim, você precisa fazer sua parte, onde já se viu destratar os jornalistas daquele jeito? São gente boa, todos eles só me pedem um escandalozinho de presente por ano e é moleza, porque vocês brasileiros adoram um barraco e...

O dono da casa fica com os olhos estatelados e a face vermelha e, berrando, chutando os rottweiller que saem correndo, virando mesa e derrubando a árvore de Natal ao mesmo tempo diz:

- Vá pro diabo que te carregue! Defender a imprensa aqui na minha casa? Você tá vendido pro grande capital mesmo, não quero mais presente nenhum, não vou sujar minha reputação aceitando presentes de um neoliberal! Você nunca mais vai entregar pacote aqui na minha área, vou fechar as divisas pra você, abrir uma agência de segurança natalícia e fechar o porto! Vá embora! Suma daqui! Não preciso dessas merdas de presentes que você diz dar, vou falar com o Hugo e vou ser presidente na marra e quando isso acontecer vou fazer como ele, expulsar você do país!

O bom velhinho fica ali, impassível, olhando a cena dantesca com pena do indivíduo de quem ele sempre gostou, embora irascível, agindo ali daquele modo patético. Depois que ele quebrou tudo na sala e que os rottweiler fugiram saltando pela janela, diz:

- Roberto, a gente se fala no ano que vêm.

- Ano que vem o car...!

- Tchau Roberto, se acalme, não vá descontar no pessoal, pense bem, vai ver que tenho razão... Feliz Natal!!!

E o dono da casa em alto e bom som:

- VÁ se *&&¨¨¨%% COM ESSA &**%$# DE NATAL!!!

E o velhinho vai embora pensando e perguntando pra Deus: Por que quase todo o ano é a mesma coisa com esse cara? O que eu fiz meu Deus.. o que eu fiz?

Fábio Max

9 comentários:

Túlio disse...

Serviço de Utilidade Pública

Como a Shirlei tá com problemas pra abrir essa parte de comentários, vou postar o que ela mandou por e-mail:

"Já tentei várias vezes abrir a caixa de comentários e não consegui. O texto
do Fábio Max é GENIAL, perfeito, tadinho do Papai Noel e dos pittbulls...
Parabéns, Fábio, adorei!

Beijos,

Shirlei"

Túlio disse...

Esqueci de por o meu comentário.

Também gostei, Fábio. O nível tá alto. Vou tentar alcançar vocês.

Túlio disse...

Outro que não consegue abrir a parte de comentários...

"É Max! Parabéns!!!

Palhaço"

Fábio Max disse...

Obrigado a todos.

Concordo, o nível está alto, aposto que o Kizzi, Palhaço e Letícia vão bombar e o Túlio, que tá deixando a matéria dele pro final, vai por todo mundo no chinelo!

Túlio disse...

Quem sou eu...

Vivi disse...

E o nível continua lá me cima... Divertidíssimo, Fábio!

Leticia disse...

Gostei à beça, Fábio! Muito bom! E agora, o que é que eu faço?

Túlio disse...

Agora, dona Letícia, você toma vergonha e termina seu texto! Senão eu mando o Bicho Lulão atrás de você.

malu disse...

Fabio
Adorei! O texto foi o MAXimo! So agora consegui ler, estou dando boas gargalhadas.