sábado, abril 14, 2007

Como dividir R$1 Milhão fácil, fácil


15 comentários:

Fábio Max disse...

Putz!

O blog do Túlio está abandonado!

Cadê a Lets?
E a Letícia?
E a Vivi?
E a Júlia?

Túlio disse...

Fui abandonado...

Lets disse...

Uêpa, eu estou aqui! Mas não posso sair um pouquinho da frente do computador, meu Deus! Logo eu, que passo dias a fio por aqui tentando encetar uma conversa, e nada!

malu-magoada disse...

Bom, como o Fabio nao me chamou, nem sequer sentiu minha falta (buuuuaaaaa), vou "cantar"em outra freguesia.

Lets disse...

Não, Malu, não faça isso! Volte, vooooolteeeeeeee!!!!!

malu disse...

Lets, me ajuda por favor. Estou procurando uma poesia brasileira, tem que ser curta, mas que fale da nossa terra. Nao to encontrando nada.

Eu estou organizando uma apresentacao chamada "Celebrating Cultures" cada crianca vai apresentar um poema de seu pais.

Lets disse...

Nossa, Malu, peraí.

Lets disse...

Olha, Malu, um poema relativamente curto, o mais óbvio e conhecido que encontrei:

GONÇALVES DIAS
CANÇÃO DO EXÍLIO
(feito em Coimbra, em 1843)

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá,
As aves que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontrou eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar, sozinho, à noite
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que eu não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.


Sei lá se é necessário você fazer algum comentário sobre ele, mas pode-se dizer que é um dos mais famosos poemas brasileiros, e que foi o mais parodiado, recriado e imitado da literatura brasileira, principalmente pelos modernistas, no plano ideológico.

Vale dizer também que a segunda estrofe, como se pode ver, foi "emprestada" por Osório Duque Estrada para a letra do Hino Nacional brasileiro.

Tomara que este sirva. Se não for bem isso, me avise.

Lets disse...

Olha, achei um bem pequenininho, não tão celebrado, mas que é bem a cara do Brasil, mas sob outra ótica. O contexto é o seguinte: os modernistas de São Paulo, em 1929, se colocaram contra uma corrente ufanista de um nacionalismo conservador, e jocosamente escreveram esse poeminha, assinado por um fictício "Jacob Pum-Pum". Note a alusão às cores da bandeira e o trocadilho entre azul e azar:

"Combinação de cores"

Verdamarelo
Dá azul?
Não:
Dá azar.

Como se vê, os modernistas subverteram o nacionalismo tradicional, sem crítica, em favor de uma releitura moderna dos elementos nativos brasileiros. Esse movimento inspirou totalmente, décadas mais tarde, o tropicalismo de Caetano Veloso, Gilberto Gil e outros.

Malu, desculpe se estou sendo muito didática. Não sei se essa é sua praia, então...

Túlio disse...

gostei desse último! É bem a cara do Brasil.
Me lembrei daquele sujeito no Jogo do Milhão do Silvio Santos. Na pergunta fatídica ele disse que o que estava escrito na bandeira era "Ordem OU progresso".
Eu achei muito mais a cara do país. Aqui não dá pra ter as duas coisas ao mesmo tempo. Tem que ser ou mesmo!!!

Lets disse...

Nossa, Túlio, que bom que você gostou. Achei que todo mundo ia avacalhar minhas pesquisas, que, cá pra nós, ficaram com cara de tese na USP.
E olha que eu nem curto muito poesia, hein!

Mas, ó, tive uma idéia, Malu: E se você, em vez de poesia, extraísse uma - UMA - frase da prosa brasileira, dizendo à platéia que isso soa como poesia aos ouvidos da maioria dos brasileiros (ó, ó o impacto):

Aaaaaaaaaaaaaaai, que preguiça!!!!!!
(Mário de Andrade, Macunaíma)

Fábio Max disse...

Ô Malu,

MILHÔES DE DESCULPAS!!!

BILHÕES DE DESCULPAS!!!

Foi um lapso!

Túlio disse...

Fábio esquecido!!!
Fábio esquecido!!!

Lets disse...

Lapso o quê! Você chama todo mundo pra te fazer companhia, um sábado, às 17:18! Quando um ou outro finalmente se livra de suas lides diárias e vem, num esforço extra antes de dormir, postar aqui pra te satisfazer - elaborando, inxxxcrusive, altas teorias literárias -, você se escafede! Muito bonito, hein, sr. Fábio MMMMMMMMMMMMM!!!!!!!!!

malu disse...

Lets, obrigada!!
A "Cancao do Exilio"ate ja fiz a traducao para o English, mas acho ela muito big. Quantas as outras sugestao o Brazil que eu quero mostrar eh aquele q eu faco parte, sabe aquele q trabalha e nao tem preguica de enfrentar o lion. Inclusive as pessoas que me conhecem nao irao believe que o brasileiro eh igual o Macunaina.